Research on teaching portuguese as a second language for foreigners. Investigación sobre la enseñanza del portugués como segunda lengua para extranjeros

Mateus Gabilanes Rodrigues, Airton José Vinholi Júnior

Resumen

The objective of this work was to investigate, through a review of the state of knowledge type, the process of teaching and learning the Portuguese language to foreigners in Brazil. It is a qualitative, descriptive and analytical research. Academic publications dealing specifically with the subject were analyzed in the databases: Scientific Electronic Library Online (SciELO); Educational Resources Information Center (ERIC) and Brazilian Digital Library of Theses and Dissertations (BDTD), between 2005 and 2018, checking trends and references on the subject, through bibliographic review. It was possible to value and subsidize other types of studies with the same research interest. Through the works found, an in-depth analysis was carried out. Preliminary readings of popular science texts revealed the importance attributed to knowledge of culture in the teaching of a given language to these speakers. As a conclusion, the need for further studies on the subject is identified, due to the importance it has for the future of Brazilian education and its impacts.

Palabras clave

Approaches and methodologies; portuguese for foreigners; relationship between culture and language; state of knowledge

Texto completo:

PDF (English)

Referencias

Almeida ilho, J. C. P. (2005). O ensino de português como língua não-materna: concepções e contextos de ensino. Digital do Museu da Língua Portuguesa – UNB.

Alvarez, M. L. O. (2018). Português como Língua Estrangeira, Português como Língua de Herança (PLH), Português como Língua Adicional (PLA). Domínios de Lingu@gem, v. 12, n. 2, p. 772-783.

Barbosa, J. B., and Freire,D. J (2017). Formação de professores e ensino de português como língua adicional. Estudos Linguísticos, 46 (2), p. 593 – 602.

Café, P. T. S., Borges, F. G. B., and Matos, A, C. F. (2018). A formação de professores de português como língua adicional: crenças, dificuldades e possibilidades. Linguagem em Foco, v. 10, n. 1, p. 105 – 118.

Chagas, L. A. (2016). Entre experiências e indícios: o ensino de português para estrangeiros em contexto de imersão linguística. Universidade Federal de Uberlândia, fevereiro de 2016.

Chagas, L. A. (2019). Formação de professores de português para estrangeiros na contemporaneidade: cenários, desafios e possibilidades. Revista Letras Raras, 8(3), p. 87 – 111.

Coracini, M. J. (2007). Identidade e O monolinguismo do outro. In: CORACINI, M. J. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade: línguas (materna e estrangeira), plurilinguísmo e tradução. Campinas - SP: Mercado das Letras, 2007.

Denzin, N. K., and Lincoln, Y. (2006). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Tradução de Sandra Regina Netz. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 432 p.

Diniz, I. C. S., and Cruz, J. M. (2018). Elaboração de material didático para o ensino de português como língua de acolhimento: parâmetros e perspectivas. The Especialist, v. 39, n. 2, p. 1-12.

Ferreira, N. S. A. (2002). As pesquisas denominadas “estado do conhecimento”. Educação & Sociedade, São Paulo, ano 23, n. 79, p.257-272.

Guerra, D. M. (2018). Ensino de português do brasil para estrangeiros: internacionalização, contextos e práticas. Matraga, 25, p. 246-491.

Larsen-Freeman, D., and L. Cameron. (2008). Complexo sistemas e linguística aplicada. Oxford: Imprensa da Universidade de Oxford.

Lave, J., and Wenger, E. (1991) Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge: Cambridge University Press.

Marin, G. R. B. ; Vinholi Júnior, A. J. (2020). Produção científica sobre o ensino de genética no Brasil: uma análise de teses e dissertações (2004 - 2019). SOUTH AMERICAN JOURNAL OF BASIC EDUCATION, TECHNICAL AND TECHNOLOGICAL, 7, p. 1-23.

Meyer, R. M. B. (2013). Cultural, multicultural, intercultural: o português como segunda língua para estrangeiros. Matraga, Rio de janeiro, 20 (32).

Ministério da Educação, Brasil. (1998). Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino de Línguas Estrangeiras na educação de Jovens e Adultos. Brasília: MEC/SEM

Murta, C. A. R., and Souza, V. V. S. (2014). Ensino de português como língua estrangeira: novas perspectivas. Revista do SELL, 4(1).

Nasio, J. D. (1999). Lições sobre os 7 conceitos cruciais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Patias, N. D., and Hohendorff, J. V. (2019). Critérios de qualidade para artigos de pesquisa qualitativa. PSICOLOGIA EM ESTUDO (ONLINE), 24, p. 1-14.

Ribeiro, J. (2020). Ensino de português para falantes de outras línguas: identidades e [re]invenções em contexto de integração. Fólio – Revista de Letras, 12(1), p. 508-534.

Ribeiro, J.; Souza, D. N., and Costa, A. P. (2016). Investigação qualitativa na área da saúde: por quê? Ciência e saúde coletiva, 21(8), p.2324.

Rocha, N. A. (2019). O ensino de Português língua estrangeira no Brasil: ontem e hoje. Linguagens - Revista de Letras, Artes e Comunicação, 13(1), p. 101-114.

Romanowski, J. P., and Ens, R. T. (2006). As pesquisas denominadas do tipo “estado do conhecimento” em educação. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, 6, p. 37-50.

Rotta, A. M. (2018). A Pedagogia intercultural como proposta metodológica para o ensino e a aprendizagem do Português como Língua Estrangeira (PLE). Domínios de Lingu@gem, 12(2), p. 974-999.

Serrani-Infante, S. (1997). Formações discursivas e processos identificatórios na aquisição de línguas. Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, 13(1), 63-81. https://bit.ly/3kBEOPT

Silva, F. C., and Costa, E. J. (2020, junio, 15). O ensino de português como Língua de Acolhimento (PLAC) na linha do tempo dos estudos sobre o Português Língua Estrangeira (PLE) no Brasil. Horizontes de Linguística Aplicada, 19(1), p. 125 – 143. https://bit.ly/2PnvfbD

Soares, M. B., and Maciel, F. P. (2000). Alfabetização no Brasil: O Estado do conhecimento. Brasília: INEP/MEC, 1989.

Spinassé, K. P. (2006). Os conceitos língua materna, segunda língua e língua estrangeira e os falantes de línguas alóctones minoritários do Sul do Brasil. Revista Contingentia, 1, p. 1-10.

Tavares, C. N. V. (2010). Identidade itine(r)rante: o (des)contínuo (des)apropriar- se da posição de professor de língua estrangeria. 279f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) - Instituto de Estudo da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. https://bit.ly/3sFdVNG

Teixeira, V. G. T. 2016. A formação de professores de PLE (Português Língua Estrangeira) no Brasil. Revista Philogogus, 22(64), p. 136 - 145. https://bit.ly/3r4DW8N

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.

Comentarios sobre este artículo

Ver todos los comentarios