O aprendizado da leitura e da escrita pela perspectiva da neurolinguística discursiva Aprendizaje de la lectura y la escritura para concepción discursiva neurolingüística Learning of reading and writing for perspective discursive neurolinguistics

Betina Rezze Barthelson

Resumen

Embasado na abordagem de Neurolinguística Discursiva (1986), este artigo tem como objetivos refletir sobre as dificuldades de aprendizagem vividas pelas crianças para se alfabetizarem e contribuir para a reflexão sobre as práticas escolares que ainda se mantêm pautadas pela concepção tradicional de linguagem. Norteadas pelo conceito de interlocução, as questões relativas à entrada da criança na leitura e na escrita foram tratadas através do papel privilegiado atribuído à fala na constituição da subjetividade e a partir da perspectiva vygotskyana, que considera a leitura e a escrita como desdobramentos da relação entre a fala e o pensamento (Vygotsky, 1934).

Palabras clave

Interlocução; fala; leitura; escrita; patologização da educação

Texto completo:

PDF

Referencias

Agamben, G. (2010) O que é um dispositivo? O que é o contemporâneo? E outros

ensaios. Chapecó: Argos.

Benveniste, E. (2014) Últimas aulas no Collège de France. São Paulo: Editora Unesp, 1968-1969.

Coudry, M.I.H. (1986) Diário de Narciso: Discurso e afasia – análise discursiva de interlocuções com afásicos. Tese (Doutorado em Linguística). Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Tese publicada em livro em 1988.

Coudry, M.I.H. (1987) Dislexia: um bem necessário. In: Seminário do GEL, 14. Campinas: Unicamp. p. 150-157

Coudry, M.I.H. (1996) O que é o dado em Neolinguística. In: Maria Fausta Pereira de Castro. (Org.). O método e o dado no estudo da linguagem. Campinas: Editora da Unicamp.

Coudry, M.I.H. (2007) Patologia estabelecida e vivências com o escrito: o que será que dá? In: Anais do 7º Encontro Nacional sobre Aquisição da Linguagem, ENAL. Porto Alegre: CDROM.

Coudry, M.I.H. (2009) O drama entre o novo e o velho nas afasias. 17º Intercâmbio de Pesquisas em Linguística Aplicada - INPLA, Caderno de Resumos. São Paulo: PUC-SP. p. 184-184.

Coudry, M.I.H. (2010) Caminhos da Neurolinguística Discursiva: o velho e o novo. Caminhos da Neurolinguística Discursiva: teorização e práticas com a linguagem. Campinas: Mercado das Letras.

Coudry, M.I.H. (2013) Projeto Neurolinguística Discursiva: afasia e infância. Relatório CNPq: 312522/2013-4.

Coudry, M.I.H.; Bordin, S.S. (2012) Afasia e infância: registro do (in)esquecível. Cadernos de Estudos Linguísticos (UNICAMP), v. 54. p. 135-154.

Coudry; Freire, F. M. P. (2005) O trabalho do cérebro e da linguagem: a vida em sala de aula. Cefiel/IEL/Unicamp.

Coudry, M.I.H.; Morato, E. M. (1990) Reflexões sobre a atividade oral e escrita de deficientes, no contexto escolar. Cadernos Cedes, vol23. Campinas, SP, Nov. p.49-58.

Coudry, M.I.H.; Possenti, S. (2010) Avaliar discursos patológicos. Web Revista Discursividade. Edição nº07. Dez, 1983.

Coudry, M.I.H.; Scarpa, E.M. (1991) De como a avaliação de linguagem contribui para inaugurar ou sistematizar o déficit. In: ROJO, et. al. (Orgs.) Fonoaudiologia & Linguística. Rio de Janeiro: Educ, v.1.

Franchi, C. (1977) Linguagem – Atividade Constitutiva. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, nº22.

Foucault, M. (1969) Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense.

Freud, S. (1891) A interpretação das afasias: Um estudo crítico. Lisboa. Marcílio Editora.

Geraldi, J.W. (2003) Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Ginzburg, C. (1989) Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das letras.

Müller, L. M. (2013) Sujeitos, histórias e rótulos: a leitura e a escrita de crianças e jovens diagnosticados com dislexia. Dissertação (Mestrado em Linguística). Instituto de

Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas.

Nakazoni, A. L. (2012) Educação, tecnologia e aprendizagem: uma abordagem neurolinguística. Dissertação (Mestrado em Linguística). Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas.

Righi-Gomes, M. J. (2014) Reflexões Sobre a Pratica Docente à Luz da Neurolinguística Discursiva. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas.

Rojo, R. (2009) Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: parábola Editorial.

Silva, M. A. (2014) Sujeitos e Linguagem na Síndrome do X-Frágil. Tese (Doutorado em Linguística). Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas.

Vygotsky, L. S.. (1993) Pensamento e linguagem. São Paulo. Martins Fontes, 1934.

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.