Reflexões teórico-metodológicas sobre investigações em educação de jovens e adultos trabalhadores na rede federal brasileira Reflexiones teórico-metodológicas sobre las investigaciones en la educación de jóvenes y adultos trabajadores en la red federal b

Helaine Barroso Dos Reis, Rinaldo Luiz Cesar Mozzer

Resumen

Este artigo reflete sobre as investigações em educação de jovens e adultos no Brasil no âmbito da rede federal, mais especificamente no Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (Proeja). Levanta as correntes teórico-metodológicas que deram suporte as ações científicas em fontes como o Banco de Teses da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e os retornos destes pesquisadores a questionários online. Em uma análise qualiquantitativa, crítico-interpretativista, utilizando-se de procedimentos mistos como a pesquisa documental, pesquisa de campo e técnica bibliométrica, amparados pelo método Materialista Histórico Dialético, busca-se a tendência metodológica dos trabalhos estudados e pondera sobre a influência destas pesquisas nas políticas educacionais brasileiras em atendimento à formação dessa classe de trabalhadores. Conclui-se que sobressaem as pesquisas qualitativas, com ênfase nos estudos de caso, pesquisa documental e bibliográfica e fundamentadas nas teorias marxistas, progressistas e histórico-críticas. A tendência teórico-metodológica encontrada permite compreender a realidade sócio-histórica do aluno do Proeja pelo enfoque materialista, histórico e dialético e esclarece os fenômenos sociais, o trabalho e as lutas de classe em que se insere o sujeito trabalhador.

Palabras clave

Banco de dados da Capes; bibliometria; materialismo histórico dialético; Proeja; tendências teórico-metodológica.

Texto completo:

PDF

Referencias

Araújo, C. A. (2006). Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão, Porto Alegre, 12(1), 11-32.

Araújo, A. B., & Silva, M. A. (2012). Currículo integrado na educação de jovens e adultos: apontamentos a partir do mapeamento de uma rede de pesquisas. Revista Trabalho Necessário, Niterói, 10(15).

Brzezinski, I. (2014). A Investigação Qualitativa em Teses e Dissertações dos Programas de Mestrado e Doutorado em Educação: Estado do Conhecimento. En A. P. Costa, F. N. S. Souza, & D. N. Souza (Orgs). Investigação qualitativa: Inovação, Dilemas e Desafios (pp. 69-101). Aveiro: Ludomédia.

Ciavatta, M. (2012). Educação básica e educação profissional: descompassos e sintonia necessária. En: E. C. Oliveira, A. H. Pinto, M. J. R. Ferreira (Orgs). EJA e educação profissional: desafios da pesquisa e da formação no Proeja (pp. 67-99). Brasília: Líber Livro.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1998). Brasília. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm (03-11-2016).

Decreto Lei nº 5.478 de 24 de junho de 2005. Presidência da República. Brasil. Acedido em março 5, 2016, em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/Decreto/D5478.htm

Decreto Lei nº 5.840/2006 de 13 de julho de 2006. Presidência da República. Brasil. Acedido em março 5, 2016, em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/decreto/D5840.htm

Freitas, M. T. A. (2007). A pesquisa em educação: questões e desafios. Vertentes, São João Del Rei, 29, 1-15.

Frigotto, G. (1987). O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional. En: Fazenda, I. Metodologia da pesquisa educacional (pp. 69- 90). São Paulo: Cortez.

Hayashi, M. C. P. I. et al. (2007). Um estudo bibliométrico da produção científica sobre a educação jesuítica no Brasil colonial. Biblios, Pittsburgh, 8 (27). 1-17.

Ivo, A. A., & Hypolito, Á. M. (2012). Educação profissional e PROEJA: processos de adesão e resistência à implantação de uma experiência. Educação em Revista, Belo Horizonte, 28(3). 125-142.

Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Presidência da República. Brasil. Acedido em março 5, 2016, em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm.

Lei nº 11.741, de 16 de julho de 2008. Presidência da República. Brasil. Acedido em março 5, 2016, em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11741.htm.

Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Presidência da República. Brasil. Acedido em março 5, 2016, em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm.

Malanchen, J. (2014). A Pedagogia Histórico-Crítica e o Currículo: para além do multiculturalismo das políticas curriculares nacionais. Brasil: UNESP (Tesis de grado).

Marx, K. (2008). Manuscritos econômico-filosóficos (Col. Marx-Engels, J. Ranieri, Trad). São Paulo: Boitempo.

Milan, M. (2016). Restauração Oligárquica E Retomada Neoliberal Plena: um ensaio sobre as origens das crises gêmeas e do golpe de estado de 2016 no Brasil. Austral: Revista Brasileira de Estratégia e Relações Internacionais, Porto Alegre, 5(9). 76-119.

Possa, A. D., Dornet, D. D., & Martinelli, D. B. (2015). “Comunicação Estratégica: o papel da Extensão Tecnológica no Contexto da Expansão da EPCT”, en Actas del XVI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul: 1-10. Joinville: Intercom – Soc. Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação.

Queiroz, C. T. A. P., & Moita, F. M. G. S. C. (2007). Tendências pedagógicas e seus pressupostos (Coletânea Fundamentos sócio-filosóficos da educação) (22a ed.). Campina Grande-Natal: UEPB/UFRN.

Reis, H.B., & Mozzer, R. L. C. (2016). “Tendências Metodológicas nas Pesquisas em Proeja no Brasil: Bibliometria em Teses e Dissertações na Capes: Investigação Qualitativa na Educação”, em Actas del V Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa: 389-401. Porto: Universidade Lusófona do Porto.

Santos, B. S. (1993). O social e o político na transição pós-moderna. São Paulo: CEDEC.

Santos, T. S. (2009). Do artesanato intelectual ao contexto virtual: ferramentas metodológicas para a pesquisa social. Sociologias, Porto Alegre, 11(21), 120-156.

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico. (23. ed.). São Paulo: Cortez.

Saviani, D. (2009). Escola e Democracia (Col. Polêmicas do Nosso Tempo; vol. 5) (41. ed. rev.). Campinas: Autores Associados.

Saviani, D. (2012). Marxismo, educação e pedagogia. En D. Saviani & N. Duarte, Pedagogia Histórico-Crítica e luta de classes na educação escolar (pp. 59-85). Campinas: Autores Associados.

Silva, T. T. (2009). Documentos de identidade: uma introdução ás teorias do currículo. (3. ed.) Belo Horizonte: Autêntica.

Shinn, T. (2008, Jan/Mar). Desencantamento da modernidade e da pós-modernidade: diferenciação, fragmentação e a matriz de entrelaçamento. Scientiae Studia, São Paulo, 6 (1). 43-81.

Vieira, L. C., & Marcusso, M. F. (2013). “Os Estudos sobre os Institutos Federais de Educação Ciência e Tecnologia Através das Pesquisas concluídas nos programas de Pós-Graduação no Brasil”, en Actas del II Colóquio Nacional – A Produção do Conhecimento em Educação Profissional: 1-12. Natal: IFRN.

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.