Oficinas didáticas: uma proposta metodológica para a formação de professores de biossegurança Talleres didácticos: una propuesta metodológica para la formación de profesores de bioseguridad Didactic workshops: a methodological proposal for the formation

Maria Eveline de Castro Pereira, Tatiana Lôbo Mesquita, Monica Jandira dos Santos, Monica Márcia Martins de Oliveira, Ana Paula D’Alincourt Carvalho Assef, Evelyse dos Santos Lemos

Resumen

Trata-se de um estudo de cunho qualitativo, caracterizado como uma descrição interpretativa de duas oficinas didáticas especificamente realizadas para fomentar a (auto) reflexão sobre os conceitos de ensinar e aprender, visando aprimorar a formação didático-pedagógica dos professores que atuam nos cursos/disciplinas de biossegurança do Instituto Oswaldo Cruz, Unidade Técnico-Científica da Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro (Brasil). Considerando as informações coletadas através de questionários, anotações dos comentários e observações dos participantes, bem como dos resultados das atividades práticas realizadas, foi possível identificar que as oficinas, através de uma metodologia ativa, dialógica e crítica, ressaltaram a importância de explorar um conteúdo de diferentes formas e linguagens, a partir da conjugação de várias correntes teóricas. A combinação de uma metodologia ativa, dialógica e crítica, possibilitou o rompimento com o pensamento linear e unitário, privilegiando o heterogêneo como ponto de construção do conhecimento.

Palabras clave

Ensino de biossegurança; Oficina didática; Andragogia; Formação de professores.

Texto completo:

PDF

Referencias

Ardoíno, J. (1998). Abordagem multirreferencial (plural) das situações educativas e formativas. En. J.G. Barbosa (Ed.) Multirreferencialidade nas ciências e na educação (pp. 24-41). São Carlos: EDUFSCAR.

Bachelard, G. (1987). La formación del espíritu científico: contribuición a un psicoanálisis del conocimiento objetivo. México: Editorial Siglo XXI.

Caputo, L. F. G., Pereira M. E. C., & Lemos, E. (2008). “Reflexões sobre a Aprendizagem dos alunos na disciplina de Histotecnologia a partir da avaliação com Mapas Conceituais”, en Actas del 2o. Encontro Nacional de Aprendizagem Significativa: Canela, RS.

Carmo, M. P., & Marcondes, M. E. R. (2008). Abordando soluções em sala de aula: uma experiência de ensino a partir das ideias dos alunos. Química na Escola Nova, 28, 1-5.

Costa M. A. F. (2000). Qualidade em biossegurança. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Costa, M. A. F., & Costa, M. F. B. (2010a). Educação em biossegurança: contribuições pedagógicas para a formação profissional em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 15(2), 1741-1750.

Costa, M. A. F., & Costa, M. F. B. (2010b). Entendendo a biossegurança: epistemologia e competências para área de saúde. Rio de Janeiro: Publit.

Costa, M. A. F., & Costa, M. F. B. (2014). Biossegurança em saúde no ensino de ciências. Revista Práxis, 5(9), 11-15.

Costa, M. A. F., Costa, M. F. B., Murito, M. M. C., Carvalho, P. R., & Pereira, M. E. C. (2009). Biossegurança, livros didáticos de ciências e práticas docentes; uma ausência intrigante no ensino médio. En. I.B. Pereira; A.V. Dantas (Ed.). Estudos de Politécnia e Saúde (pp. 221-241). Rio de Janeiro: EPSJV.

De Domenico, E. B. L., & Matheus, M. C. C. (2009). Didática em saúde: representações de graduandos em enfermagem e utilização de metodologia inovadora de ensino. Revista Gaúcha de Enfermagem, 30(3), 413-419.

Eboli, M. (2004). Educação corporativa no Brasil: mitos e verdades. São Paulo: Editora Gente.

Fiocruz (2004). A força do Trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Franco, M. A. S. (2005). Pedagogia da Pesquisa-Ação. Educação e pesquisa, 31(3), 483-502.

Freire, P. (1979). Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e terra.

Gagliardi, R. (1986). Los conceptos estruturales en el aprendizaje por investigación. Enseñanza de las Ciencias, 4(1), 30-35.

Garcia, M. A. (2001). Saber, agir e educar: o ensino-aprendizagem em serviços de saúde. Interface, 5(8), 89-100.

IOC. Instituto Oswaldo Cruz. Relatório de Atividade: 2013-2014. Rio de Janeiro: IOC, 2015.

Knowles, M. S., Holton III, E. F., & Swanson, R. A. (2009). Aprendizagem de resultados. Uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa. Rio de Janeiro: Elsevier.

Lemos, E. (2005). (Re)situando a Teoria de Aprendizagem Significativa na Prática Docente, na Formação de Professores e nas Investigações Educativas em Ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 5, 38-51.

Lemos, E.S. (2012) Enseñanza y el Hacer Docente: Reflexiones a la Luz de la Teoría del Aprendizaje Significativo. ASR, 2(2): 23-41.

Martins, J. B. (2004). Contribuições epistemológicas da abordagem multirreferencial para compreensão dos fenômenos educacionais. Revista Brasileira de Educação, 24, 85-94.

Mendes, J.M.R.; Wünsch, D.S. (2007) Elementos para uma nova cultura em segurança e saúde no trabalho. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 32(115): 53-163.

Minicucci, A. (2001). Técnicas do trabalho em grupo. Rio de Janeiro: Atlas.

Moreira, M. A. (2006). Mapas conceituais e diagrama V. Porto Alegre: UFRGS.

Moreira, M. A. (2012). O que é afinal, aprendizagem significativa? Aula Inaugural do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais, Instituto de Física, Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá, MT, 2002. Qurriculum, La Laguna, 1-27.

Neves, T. P. (2008). As contribuições da ergologia para a compreensão da biossegurança como processo educativo: perspectivas para a saúde ambiental e do trabalhador. O mundo da Saúde, 32(3), 367-375.

Nogueira, S. M. (2004). A andragogia: que contributos para a prática educativa? Linhas, 5(2), 1-23.

Novak, J. D. (1998). Learning, creating, and using knowledge: Concept Maps as Facilitative Tools in Schools and Corporations. Mahweh, N. J.: Lawrence Erlbaum Associates.

Pereira, M. E. C. (2010). Um olhar sobre a capacitação profissional em biossegurança no Instituto Oswaldo Cruz: o processo de transformação. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz (Dissertação de Mestrado em Ciência).

Pereira, M. E. C. (2015). O uso de estratégia lúdicas na avaliação do ensino e da aprendizagem de biossegurança. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz (Tese de Doutorado em Doenças Infecciosas).

Pereira, M. E. C., Borba, C. M., & Lemos E. S. (2009a). “Proposta de curso de biossegurança para profissionais surdos de um instituto de pesquisa biomédica (IOC/FIOCRUZ/BRASIL) fundamentado na teoria da aprendizagem significativa – Enseñanza de las Ciências”, em Actas del VIII Congreso Internacional sobre Investigación en Didáctica de las Ciências: 634-638. Barcelona, Espanha.

Pereira, M. E. C., Costa, M. A. F., Costa, M. F. B., & Jurberg, C. (2009b). Reflexões sobre conceitos estruturantes: contribuições para o ensino de ciências. Ciências & Cognição, 14(1), 293-303.

Pereira, M. E. C., Jurberg C., Soeiro, M. N. C., & Borba C. M. (2010). A estruturação do programa de capacitação profissional de biossegurança no contexto do projeto de modernização científica do Instituto Oswaldo Cruz. Saúde e Sociedade, 19(2), 440-448.

Pereira, M. E. C., Jurberg, C., & Borba, C. M. (2014). Considerações sobre práticas didático-pedagógicas no ensino de biossegurança do Instituto Oswaldo Cruz. Revista Ciências e Ideias, 5(2), 53-67.

Pereira, M.E.C.; Costa, M.A.F.; Carvalho, P. R. (2008). Ensino de ciências: conceituação de biossegurança através da linguagem gráfica. Revista Eletrónica de Enseñanza de las Ciencias, 7(3), 570-581.

Piovesan, A., & Temporini, E. R. (1995). Pesquisa exploratória: procedimentos metodológicos para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Revista Saúde Pública, 29(4), 318-325.

Rocha, S. S., & Fartes, V. L. B. (2001). Biossegurança e competência profissional: um novo desafio para a educação no setor de saúde. Caderno CRH, 34, 124-140.

Ribeiro, G., Peres, D. E. P., & Flôr, R. C. (2015). Concepção de biossegurança de docentes do ensino técnico de enfermagem de um estado do sul. Trabalho, Educação e Saúde, 13(3), 721-737.

Rozendo, C. A., Casagrande, L. D. R., Schneider, J. F., & Pardini, L. C. (1999). Uma análise das práticas docentes de professores universitários da área de saúde. Revista Latino-americana de Enfermagem, 7(2), 15-23.

Sandín Esteban, M. (2010). Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: AMGH.

Santos, M. J., Pereira, M. E. C, Jurberg, C., & Soeiro, M. N. C. (2008). “QBA/On-line: um instrumento de sensibilização em condutas laboratoriais”, em Actas del IV ENCIBio – Encontro Nacional das Comissões Internas de Biossegurança. São Paulo: CTNBio.

Santos Neto, E. (2004). Multirreferencialidade e transpessoalidade: contribuições para a construção de novas propostas escolares. Educação & Linguagem, 9, 105-122.

Scroferneker, C. M. A. (2006). Trajetórias teórico-conceituais da Comunicação Organizacional. Revista FAMECOS, 31, 47-53.

Sousa, A. F. L., Souza, A. M., Oliveira L. B., Mourão L. F., Batista, O. M. A., & Guimarães M. S. O. (2014). O ensino de biossegurança em saúde por docentes de graduação em enfermagem. Revista Interdisciplinar, 7(1), 85-92.

Teixeira, P., & Borba, C. M. (2010). Riscos Biológicos em laboratório de pesquisa. En. Teixeira, P., & Valle, S (Ed.), Biossegurança uma abordagem multidisciplinar (pp. 67-83). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.